Setor de hospedagem

Já há quem acredite que depois do surgimento do coronavírus e do acontecimento da pandemia nada será como antes no setor de hospedagem. E a verdade é que já é possível cravar que algumas mudanças realmente vieram para ficar e será preciso que hotéis, pousadas e hostels se adequem a elas. 

A boa notícia, no entanto, é que é possível sim se reinventar e se reerguer depois de todas as dificuldades e transtornos causados pelo novo vírus. Afinal, crises também são excelentes oportunidades de crescimento.

E para ajudar você e o seu negócio neste período de tantas turbulências, traçamos neste nosso novo artigo um panorama de como o setor de hospedagem vai se comportar de agora em diante. Acompanhe e boa leitura!

Os impactos do coronavírus no setor de hospedagem

O setor de hotelaria foi o primeiro a ser afetado pela pandemia do novo coronavírus e também um dos que sofreu maiores danos. A crise da covid-19 levou vários setores da economia a terem quedas de 25%, 30% no faturamento, já o setor de hospedagem foi atingido com perdas que chegam a 90%.

E com as muitas incertezas que ainda cercam a transmissão do coronavírus e a gravidade da doença causada por ele, muitos empresários do setor acreditam que mesmo com a reabertura do mercado, as taxas do nicho de turismo de lazer só voltarão ao patamar de 2019 em 18 meses e o do turismo corporativo em dois anos.

O setor de hospedagem no cenário pós-pandemia

De acordo com pesquisa realizada pelo FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil) a abertura de 60% dos hotéis no Brasil se dará nos próximos meses e, com a retomada gradual das atividades, haverá uma movimentação do setor no país, já que muitas pessoas irão buscar por viagens e passeios para compensar o distanciamento social da primeira metade do ano.

No entanto, já se sabe que nem de longe a procura pelos serviços relacionados ao turismo será a mesma de antes da pandemia. E o principal motivo para esse cenário é que a crise econômica trazida pelo coronavírus fez cair muito a renda de uma boa parcela dos brasileiros. 

Mas apesar das dificuldades financeiras dos empreendimentos de hospedagem e dos clientes, muitas empresas do setor estão conseguindo aproveitar o período para se reinventarem e tentarem entender como irão se comportar os hóspedes daqui para frente.

Acredita-se que no pós-pandemia surja um novo perfil de turista e, por isso, além da implementação de novas medidas sanitárias e de higiene para garantir a saúde e a segurança de todos, os hotéis precisam revisar todos os seus processos e oferecer novas soluções para os seus hóspedes.

O novo turista

A pandemia e todo esse período de isolamento e distanciamento social estão mudando o perfil dos turistas. E elementos como limpeza, sustentabilidade e humanidade passarão a ser cada vez mais valorizados. 

Com isso, o comportamento e os hábitos dos hóspedes de hotéis também devem mudar. Como exemplo é possível pensar que uma pessoa que antes viajava a cada quinze ou vinte dias, a trabalho, para um destino como Buenos Aires, e passava um ou dois dias na cidade, agora deve viajar menos vezes, mas permanecer mais tempo. 

Assim, cabe aos hotéis oferecerem serviços e atividades que preencham o tempo deste hóspede na cidade, ajudando-o a aproveitar o destino para além do trabalho, proporcionando a ele novas experiências e criando uma relação mais amigável entre o cliente e o estabelecimento.

O papel da tecnologia na retomada do setor de hospedagem

Ao mesmo tempo que a hotelaria se tornará mais amigável e conectada a valores como sustentabilidade e responsabilidade social depois dessa pandemia, ela também deverá implementar recursos tecnológicos que garantam a saúde e a segurança de seus clientes.

Alguns recursos que podem e devem ser implementados nos hotéis a partir de agora são:

  • check-in e check-out web com integração com o Whatsapp, o que evita a aglomeração de pessoas na recepção e traz mais agilidade para os registros de entrada e saída de hóspedes.
  • ferramentas que possibilitem o pedido de serviços de quarto por aplicativo, reduzindo o deslocamento de hóspedes e evitando o compartilhamento de controles de gestão físicos e ultrapassados.
  • uso de tablets e outros dispositivos móveis no atendimento ao cliente, já que são fáceis de serem higienizados e aumentam a produtividade das equipes de governança, dos restaurantes e da recepção.

Este artigo foi útil para o seu hotel, pousada ou hostel? Esperamos que sim! Você pode se aprofundar mais sobre como os hotéis e outros empreendimentos desse mercado vão reagir no cenário pós-pandemia assistindo ao nosso webinar “Setor hoteleiro, como se levantar depois do coronavírus?”, um conteúdo exclusivo que é fruto da parceria da Bitz Softwares com grandes especialistas em negócios e hotelaria do Brasil e do mundo. Confira!

Veja também

Deixe um comentário