Novo Episodio da Maratona da Hospitalidade NO AR!

Fim da violência contra a mulher depende da causa ir além do Agosto Lilás!

  1. Home
  2. Notícia
  3. Fim da violência contra a mulher depende da causa ir além do Agosto Lilás!
Tempo de Leitura: 6 minutos

Sumário

    Agosto Lilás reforça o enfrentamento pelo fim da violência contra a mulher!

    Nesse sentido, durante este mês, várias ações de intensificação da divulgação da Lei Maria da Penha, buscam sensibilizar e acima de tudo conscientizar a sociedade pelo papel de cada um nessa luta. 

    Além disso, projetos como grupos de apoio e de defesa para a mulher, são feitos para firmar o compromisso com a causa.

    Bem como, uma das ações, que nos chamou a atenção, foi a notícia de que a campanha ampliou a conscientização contra o assédio em espaços públicos, confira:  

    O Governo do Estado de São Paulo, como forma de enfrentar a violência que mulheres sofrem em ambientes públicos, teve uma iniciativa de colocar em prática medidas de acolhimento, proteção e segurança para mulheres, em bares, restaurantes, casas de eventos, boates e outros estabelecimentos de lazer e gastronomia.

    Assim, cartazes foram afixados, indicando a adesão dos locais à campanha, por meio do selo “Estabelecimento Amigo da Mulher”.

    Dessa maneira, essa ação, foi reforçada com a criação da Lei 17.621/2023, que trata da obrigatoriedade dos bares, restaurantes e casas noturnas em auxiliarem mulheres que se sintam em situação de risco. 

    Por isso, sempre vale ressaltar que o Agosto Lilás, não evidência só a violência física que mulheres podem sofrer em ambiente doméstico.

    Como também, é uma causa que luta para defender essas pessoas de qualquer tipo de abuso, inclusive nas ruas.

    Nesse sentido, fizemos esse artigo para abordar os tipos de violência que existem e formas de denunciar ou ajudar, o que está sendo feito para tornar a sociedade um local mais seguro para mulheres, além de mostrar o posicionamento da Bitz frente a essa causa. 

    Acompanhe a leitura para saber mais!

    Fim da violência contra a mulher depende de muita informação e apoio! 

    Primeiramente, o que lembramos é que este não é apenas um conteúdo sobre a “cor de um mês”.

    Este é um aviso sobre como identificar a violência, se proteger e ajudar o próximo.

    Além disso, abrimos espaço aqui, para mostrar outras iniciativas: como o empoderamento de mulheres e o ato de ensinar autodefesa para elas, que ajuda a tornar esse mês ainda mais potente. Veja um recorte, de notícia do Portal Terra: 

    Oficina de defesa pessoal, serviu para conscientizar as mulheres sobre como identificar situações de risco, como sair delas e também ensinar a fundo sobre direitos e leis de proteção, além de estimular a autoestima e a dignidade do público feminino. 

    Bem como, além de mostrar o que está sendo colocado em prática na sociedade, trazemos o que preparamos para os colaboradores da Bitz.

    Nós, nos posicionamos dentro da empresa para além do uso da fita lilás, que simboliza a causa. Transformamos esse momento em uma oportunidade de compartilhar a informação com nossas equipes. 

    Por isso, utilizamos nossos meios de comunicação internos, para explicar como se dá as formas de violência contra a mulher e de que maneira uma pessoa poderia denunciar.

    Confira a seguir o conteúdo do material, disponibilizado pelo time de Pessoas (Recursos Humanos) para todos conseguirem ter acesso a essas informações importantes do Agosto Lilás. 

    1) Violência Psicológica

    É identificada como qualquer conduta que cause dano emocional à vítima, como: ameaças, chantagens, humilhações, insultos, isolamento, manipulação, exploração, entre outros.

    2) Violência por Gaslighting

    Também é uma forma de violência psicológica, com alguns agravantes de manipulação dos atos e da mente da vítima, sobre si mesma ou na relação com outras pessoas.

    São formas de criar situações que abordem, por exemplo: que a mulher está louca, ou que ela está “criando coisas na cabeça”.

    3) Violência Patrimonial

    Ocorre quando há a subtração, retenção, ou destruição dos bens da vítima, como: destruir seus objetos pessoais, esconder documentos, guardar dinheiro da mulher contra a sua vontade, entre outros.

    4) Violência Moral

    São quaisquer ações que caluniem ou difamem a honra e a reputação da vítima, como: realizar críticas mentirosas contra a mulher, expor sua vida íntima, rebaixar a vítima com xingamentos, entre outros.

    5) Violência Sexual

    É tudo que obriga a vítima a manter contato sexual (físico ou verbal) sem a sua vontade, ou consentimento. Além disso, impedir o uso de métodos contraceptivos, também é uma forma de violência sexual.

    6) Violência Física

    É qualquer conduta que ofenda integralmente a saúde corporal da mulher, como: espancamento, atirar objetos e sacudir ou apertar os braços, tortura, entre outros.

    Bem como, além de explicar sobre os tipos de violência e as maneiras de identificar as agressões, foi informado que o número para a denúncia é 180 e pode ser feito anonimamente. 

    Nosso papel como empresa para apoiar o fim da violência contra a mulher

    A atmosfera que criamos, com essas informações sobre os tipos de violência, foi para amparar as pessoas que trabalham na Bitz.

    Para afirmar que aqui temos uma escuta ativa. Ou seja, o departamento de Pessoas (Recursos Humanos), assim como líderes e colegas de equipe mais próximos, são pessoas que podem comportar apoio – se assim, outros que sofrerem alguma violência quiserem contar a sua história.

    Nesse sentido, reforçamos a nossa cultura de que aqui, uns olhamos pelos outros, não só porque estamos na mesma empresa, mas porque nos importamos com as pessoas que compartilhamos o nosso dia a dia. 

    De que maneira podemos levar essa postura ativa contra a violência para as nossas vidas?

    Em um primeiro momento, o que precisa ficar bem claro, é que os sinais de violência podem ser sutis. Por isso, devemos sempre observar colegas mais próximos no trabalho, assim como amigos e familiares que convivemos.

    Além disso, não devemos ignorar os pedidos de ajuda, como, por exemplo, dos vizinhos que brigam e você ouve, ou a história sobre alguém que sofreu violência. Busque sempre amparar a vítima e utilize os canais de denúncia.

    Sobretudo, também é importante ler e falar sobre a ajuda psicológica que todas as vítimas precisarão, independente da forma de violência que sofreram.

    Não fechar os olhos é o primeiro passo! A Bitz apoia a causa do Agosto Lilás. 

    E gostaríamos de lembrar, que aqui na nossa startup você sempre encontra um apoio humano e uma rotina acolhedora. 

    Se quiser fazer parte disso, clique e seja direcionado às nossas oportunidades! 

     

     

    Assine a Newsletter

    Fique sempre por dentro das atualizações para ter a melhor hospitalidade.

    Assinar Gratuitamente